0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

Por Claudio Santos

“A mulher respondeu: – O senhor é judeu e eu sou samaritana. Então como é que o senhor me pede água (ora, os judeus não se dão com os samaritanos).” João 4:9.

O Mundo Clama por Justiça

O preconceito religioso e racial tem derramado sangue de inocentes em várias partes do mundo. Notícias angustiantes que chegam da Europa, Oriente Médio e Ásia (preconceito étnico e religioso), aonde o mundo tem assistido violência extrema devido ao orgulho. Outras más noticias que vem das Américas (preconceito racial).

Até no Brasil, observamos na mídia, grupos que não toleram a raça negra e atacam sem dó algumas das figuras do cenário esportivo e artístico; nordestinos que não se dão com sulistas; ou sulistas que ignoram a cultura do norte, como os ataques que sofrera a Miss Brasil, que brilhou pelo Ceará em 2014, o preconceito ali era de regionalismo, sotaque, etc. Atitudes profundamente lamentáveis e reprováveis no século 21, sinal de intolerância abrupta, sobretudo com a advento das redes sociais. Intolerância é a ausência de respeito e de paz.  Tudo isso, também por causa de um pecado chamado orgulho, o gerador de intolerâncias.Jesus, porém, não usou armas, nem ataques. Ele é o Príncipe da Paz.

No capítulo histórico da Bíblia, havia um preconceito geográfico onde é observado que Samaria era melhor do que Jerusalém do ponto de vista da mulher; ou que Jerusalém seria melhor que Samaria, do ponto de vista dos judeus (exceto do ponto de vista de Jesus, o Deus da Paz).

O que o Preconceito tem a ver com a Igreja?

O perigo é que o povo de Deus, que ultimamente vem copiando a cultura humanista, se misture ou simpatize-se com estas práticas que vem do além! Não se assuste com isso, pois essa “simpatia” do povo de Deus (naquele tempo era Israel com os gentios e vice versa) pelo preconceito já é uma história muito antiga e conhecida da Bíblia – A Mulher Samaritana e Jesus em João 4. E, pasme tudo está muito bem diagnosticado na área da comunicação e dos relacionamentos, e sobretudo no campo do orgulho e/ou da humildade. Naquele tempo da história o problema estava com Israel e Samaria. Jesus, porém, quebrou o paradigma dos preconceitos ao se relacionar e se comunicar de forma saudável com a mulher de Samaria. Devemos seguir os passos do Mestre Jesus, um governo de paz, de segurança, alegria e justiça.

A Era da Superficialidade nos Relacionamentos

Relacionamento é extremamente necessário, assaz importante e significativamente relevante em todas as áreas de sua vida. O mundo foi invadido pela onda de “relacionamentos artificiais” através de uma quantidade diversificada de redes sociais no século 21. E a igreja não ficou de fora.

Fala-se em comunicação pessoal, intrapessoal, interpessoal, verbal, non-verbal e mediada. A comunicação humana tem se tornado tão dinamizada quanto segmentada e isto tem provocado de certa maneira uma aproximação acelerada nunca dantes experimentada pela raça humana.

As pessoas vivem cada vez mais em um clima de distanciamento e desconexão afetiva, emocional, física e espiritual. É a era da superficialidade, do protótipo encapuzado do amor e da identidade camuflada atrás dos bastidores da comunicação social. Relacionamento é um assunto de ordem social, financeira, afetiva, moral, econômica, emocional, política, científica, filosófica e espiritual.

Relacionamento é inegavelmente uma parte intrínseca da sua vida!

Relacionamento está presente em todas as áreas da sua vida. Veja bem:

Você se relaciona com números, ideias, pensamentos, sonhos, palavras, atitudes, projetos, planos e ambientes. Você se relaciona com coisas – tanto visíveis como invisíveis, mensuráveis e imensuráveis. Você se relaciona com as pessoas – conhecidas e desconhecidas, vizinhos, colegas, amigos, parentes e familiares. Você se relaciona com o natural e o sobrenatural, com o material e o espiritual, com o bom e com o mal. Você se relaciona com os anjos, com Deus – Pai, Filho e Espírito Santo. Daí a necessidade imprescindível de renovarmos nossos relacionamentos de forma saudável, adequada e duradoura!

Vamos então falar com o Mestre em Relacionamentos e colher algumas gotas preciosas de bem aventuranças Dele,  Jesus o motivador das multidões, incentivador dos casais, reconciliador das famílias, companheiro dos sós e dos solitários, consolador e amigo dos órfãos e das viúvas – Jesus de Nazaré!

Jesus, o Reconciliador

O Encontro de Jesus com a Mulher Samaritana é um exemplo bíblico dos mais destacados para contextualizarmos. Essa história nos ensina algumas lições que nos esclarecem e ajudam a buscar uma renovação intencional e relevante para os nossos relacionamentos. Vejamos:

Primeiramente, vamos fazer um panorama geral daquele tempo na história de Samaria e Israel:

Ora, havia um ódio milenar entre os judeus e os samaritanos, só que do ponto de vista geográfico Jesus poderia ir da Judéia para a Galileia sem ter necessariamente que passar por Samaria;  Eles não se davam. Samaria foi povoada por povos pagãos exilados da Babilônia em 723 a.C.

Ora, a premissa de todo império é domínio, poder, glória e triunfo! Então, espalhar e privar os povos conquistados de suas próprias culturas e linguagem, é a regra básica para dissipar de vez por todas qualquer nação (ou igreja, ministérios, comunidades, famílias e/ou pessoas consideradas “menores” do ponto de vista humano).

No fim dos tempos de Salomão. As tribos do Norte de Israel, até então mal governadas por Jeroboão, depois de serem absorvidas pelos seus algozes babilônicos, tiveram que se misturar com os altares e deuses profanos de outros povos também exilados. E, recheados de todas as imundícias que de outras nações eram manifestas ali naquela terra, passaram a se relacionar com o paganismo, tornando-se cada vez mais idólatras. Deveriam se dobrar a Baal e a Nabucodonosor (exceto Daniel e seus amigos, que entendiam a cultura eterna do reino de Deus. Afinal, nem tudo é autoridade espiritual, ver Daniel. 3).

Quando o povo de Israel  (tribos do Norte e Sul) se uniram novamente em sua terra, houve repúdio dos dois lados, principalmente pelas tribos do sul (Judá e Benjamim), as quais haviam resolvido seguir na Lei de Moisés, mesmo com dificuldade espiritual e profética no tempo de Roboão, não aceitavam falar ou se comunicar com as tribos do norte que haviam se misturado à adoração de outros deuses. Mas, foi com JESUS que este cenário mudou. Jesus chegou para acabar com as inimizades. Ele foi o DIFERENCIAL! Ele RESOLVEU se relacionar de forma VOLUNTÁRIA e desprendida com os samaritanos.

 Por que os relacionamentos dão errado?

Vejamos pelo menos três razões pelas quais os relacionamentos se deterioram:

  1. A primeira razão para os problemas de relacionamentos é a BARREIRA RELACIONAL. Muros e bloqueios emocionais, espirituais e até físicos são construídos entre você e o seu próximo (ou irmão da igreja). Geralmente isso se dá através do PRECONCEITO racial, regional ou mesmo religioso.

Lá em João 4:9

“A mulher respondeu: – O senhor é judeu e eu sou samaritana. Então como é que o senhor me pede água (Ela disse isso porque os judeus não se dão com os samaritanos).”

– Qual é a sua barreira? A da samaritana era uma barreira de rivalidade histórica. Uma barreira preconceituosa com pelo menos sete séculos de existência, pois foi no ano 700 a.C. (300 anos após a morte do rei Davi) que o rei do norte, Jeroboão, foi levado cativo para a Mesopotâmia, após a divisão do Reino do Norte (10 Tribos do Norte) onde estava Samaria (hoje a Cisjordânia) que por muito tempo foi a sua capital, e o Reino do Sul (2 Tribos do Sul) onde Judá era prevalente e Jerusalém a sua capital. Uma rixa histórica de inimizade, caracterizada pelo preconceito.

Dava para perceber que havia aí algo muito conhecido do comportamento dos dias de hoje, que é o PRECONCEITO. Essa atitude de segregação social, vai de encontro com a refutação de Paulo em Efésios 6:9 “Não se deve fazer acepção de pessoas”.

O que éPreconceito?

É a opinião ou crença admitida sem ser discutida ou examinada, internalizada pelos indivíduos sem se darem conta disso, e influenciando seu modo de agir e de considerar as coisas. O preconceito é construído assim por uma visão de mundo ingênua que se transmite culturalmente e reflete crenças, valores e interesses de uma sociedade ou grupo social. A manifestação comportamental do preconceito é  a discriminação.” (Maria de Fátima Gomes Andrade)

Portanto a barreira de inimizade da mulher samaritana estava enraizada na manifestação do preconceito histórico que ela carregava e era passado de geração a geração. Veja o que caracterizava o preconceito desta pobre mulher:

a) Preconceito racial: (o senhor é judeu e eu sou samaritana).

Tendência do pensamento que valoriza extremamente a existência de raças, que releva ou subestima uma raça sobre a outra.

b) Preconceito sociocultural: (os judeus não se dão com os samaritanos).

Um juízo desfavorável em relação a vários objetos sociais sejam essas pessoas ou culturas. (“então como é que o senhor me pede água?”). Uma expressão de superioridade da herança cultural.

c) Preconceito etnocêntrico

baseado nos valores do seu grupo étnico: samaritanos x judeus.

d) Preconceito cosmovisionário

Sistema pessoal de idéias e sentimentos acerca do universo e do mundo. “Disse a mulher: “O senhor não tem com que tirar a água, e o poço é fundo. Onde pode conseguir essa água viva? Acaso o senhor é maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu, bem como seus filhos e seu gado?” (João 4.11-12).

e) Preconceito geográfico

Samaria era melhor do que Jerusalém. Desvalorização conceitual de um lugar ou propriedade.

f) Preconceito religioso

baseado em noções e predisposições humanas que elevam ou menosprezam uma religião condicionando-a às leis, julgamentos e argumentos desfavoráveis à liberdade do ser humano

g) Preconceito espiritual

Baseado em conceitos culturais, históricos, mas sem fundamentos bíblicos.

“Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar. – João 4.20

Essa situação se repete hoje. Relacionamentos se corroem, se corrompem, se fragilizam, se desmoronam e se destroem. Tudo em nome da rivalidade preconceituosa, danosa e fatal de pessoas que não medem palavras, esforços e atitudes que acabam prejudicando o relacionamento.

Alguns destroem o seu relacionamento com preconceitos machistas, feministas, linguísticos, regionalistas e de estereótipo.

  1. Em segundo lugar, os relacionamentos dão errado quando existe a INCAPACIDADE de lidar com situações diversas da vida, João 4.16-18

Ele lhe disse: “Vá, chame o seu marido e volte”. “Não tenho marido”, respondeu ela. Disse-lhe Jesus: “Você falou corretamente, dizendo que não tem marido. O fato é que você já teve cinco; e o homem com quem agora vive não é seu marido. O que você acabou de dizer é verdade”.

A mulher havia tido cinco maridos e o que tinha agora não era seu. Completa solidão! Solidão emocional, cósmica, afetiva, sobretudo espiritual. Totalmente impotente diante das diferentes situações que foram surgindo na vida dela. Foi preciso Jesus chegar para mudar a situação dessa mulher. Agora podemos entender que os preconceitos dela não a ajudaram em nada com os seus problemas de relacionamento. Seis relacionamentos afetivos completamente fracassados!

E você? Quais são as situações que tem provocado impotência emocional, financeira, moral, afetiva, social e espiritual nos seus relacionamentos? Qual é a área de sua vida relacional que precisa urgentemente de um sopro de renovação de Deus?

Tipos de situações que você precisa aprender a lidar:

– Situações diferentes

– Situações inesperadas

– Situações desagradáveis

– Situações desconhecidas

– Situações inesperadas

Qual a sua reação quando você se sente incapaz de lidar com determinadas situações?

Você é acometido de pânico? Perde o norte? Desiste da família, dos filhos, do cônjuge, do trabalho, do ministério, da igreja, de tudo? Abandona suas responsabilidades dentro do relacionamento? Você assume as conseqüências ou se vitimiza? Coloca a culpa no próximo, na família, nos seus ancestrais em Deus?

  1. Em terceiro lugar, os relacionamentos dão errado quando você deixa de agir com TRANSPARÊNCIA nas relações  (João 4.23)

“No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura.” (João 4:24)

Relacionamentos saudáveis envolvem a ética, a moral, o caráter, a emocionalidade, a vontade humana e a espiritualidade do ser. Muitos crêem que é necessário mentir, omitir, excluir, repelir para conviver pacificamente com o próximo. CUIDADO COM AS AMIZADES DE INTERESSE! Alguns percebem a transparência no relacionamento como uma obrigação, outros como necessidade; alguns como dever, e outros como privilégio; alguns como responsabilidade, outros como uma honra.

Ao encontrar-se com a aquela mulher samaritana, Jesus deixou patente que a transparência deve ser algo inerente ao coração do adorador (em espírito e verdade). Às vezes, não importa o que você faça, algumas pessoas nunca estarão satisfeitas, porque simplesmente não se pode agradar a todos em um relacionamento, mas nunca abandone a honestidade, a integridade, a lealdade e a justiça. Elas são pilares de um relacionamento transparente saudável.

Quando renovar a linguagem violenta para uma linguagem de paz, a linguagem do céu?

  1. Quando a sua comunicação não é pacífica; João 4.9b “

“… O senhor é judeu e eu sou samaritana. Então como é que o senhor me pede água?”

A samaritana não era muito polida na sua comunicação. Além de revelar a natureza da sua rivalidade preconceituosa, suas palavras refletiam o seu estado de ânimo, a ferida latente da sua alma. Não era nada uma comunicação convidativa e eram sim uma indicação (aos olhos humanos) de que aquela conversa a principio não seria nem um pouco promissora ou alvissareira. As verdadeiras alvíssaras, entretanto, estavam com Jesus que restauraria a comunicação, o relacionamento e a vida daquela mulher por completo, ao fim daquela conversa.

Então, evite o círculo vicioso de palavras deprimentes, abusivas, humilhantes, carregadas de rancor e ódio, Meça a quantidade e a qualidade das suas palavras. Seja breve no falar e tardio no ouvir.

Avalie, ajuíze, pondere a sua comunicação:

Comunicação eficiente (eficaz. A natureza da comunicação é cabal, compreensível)

Comunicação ineficiente (não produz efeito, inútil. A forma de comunicação não é produtiva)

Comunicação insuficiente (não é o bastante, deixa a desejar, incompleto. O objetivo ou propósito da comunicação não foi alcançado. Exemplo da comunicação entre o Homem X Mulher)

Comunicação deficiente (insatisfatória; medíocre, falha, imperfeita, diminuta. O resultado da comunicação será também insatisfatório).

A Palavra de Deus nos adverte sobre o cuidado com as palavras no contexto do relacionamento saudável.

“O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um.”(Colossenses 4.6)

          2. Quando o seu trato parece mais um trator; João 4.11-12. Não somos homens e mulheres das cavernas.

Disse a mulher: “O senhor não tem com que tirar a água, e o poço é fundo. Onde pode conseguir essa água viva? Acaso o senhor é maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu, bem como seus filhos e seu gado?”

Aquela mulher sofrida, fastidiosa da vida revela a necessidade de renovação no seu relacionamento, ao avançar de palavras preconceituosas para ação preconceituosa.

Você não tem o balde para tirar água. Eu tenho. E agora? Eu tenho os recursos você não. E ainda me fala numa tal de água viva? Acaso pensas ser maior que o nosso pai Jacó, ou o quê? Parece ser uma afronta verbal acompanhada expressões corporais. (exemplo rap) Quase que podemos visualizar a mulher agarrando-se ao seu balde de tirar água, como quem diz, esse aqui ninguém pega, comigo não tem vez! Sai pra lá!

Também pudera. Após cinco tentativas de relacionamentos com homens, o sexto ainda não gozava de estabilidade e estava longe de ser o relacionamento. Provavelmente, sua comunicação e o seu trato eram uma forma de defesa atrelada a um passado de dor, um presente de incertezas e um futuro sem expectativas.

Trate o próximo com carinho, afago, respeito, delicadeza, distinção e suavidade.

Algumas dicas:

  1. Seja generoso ao elogiar e sempre cauteloso ao criticar.
  2. Presenteie mimos, doces naturais, cesta de frutas, flores, bombons, etc
  3. Envie recados ou mensagens de apreço e gratidão pela amizade, amor e companheirismo.
  4. Convide para almoçar fora (no quintal de casa já vale) ou um jantar especial;
  5. Conheça as preferências das pessoas do seu relacionamento mais chegado;
  6. Seja atencioso às opiniões, sugestões, comentários e sentimentos do seu próximo;
  7. Demonstre sinceridade assim como afabilidade;
  8. Mostre seu interesse pelos interesses do seu próximo;
  9. Expresse a importância da pessoa para você.
  10. Sorria para as pessoas. Lembre-se, que acionamos 72 músculos para franzir a testa e somente 14 para sorrir.

“Quem é sábio e tem entendimento entre vocês? Que o demonstre por seu bom procedimento, mediante obras praticadas com a humildade que provém da sabedoria.”                                                                                                            Tiago 3.13

  1. Sua linguagem violenta precisa MUDAR quando sua relação causa opressão João 4.16-18

Ele lhe disse: “Vá, chame o seu marido e volte”. “Não tenho marido”, respondeu ela. Disse-lhe Jesus: “Você falou corretamente, dizendo que não tem marido. O fato é que você já teve cinco; e o homem com quem agora vive não é seu marido. O que você acabou de dizer é verdade”.

Jesus não era preconceituoso. Ele não se considerava machista apesar da cultura oferecer um tratamento diferenciado para homens em relação às mulheres, Jesus ousou aproximar-se daquela mulher.

Ao prosseguir com o seu diálogo, percebeu que o relacionamento daquela mulher com outros homens tinha sido opressivo para ela e para outros, pois sua comunicação, seu trato e sua relação cm o próximo exalava não apenas preconceito, inquietude e ressentimento. Revelava também dor, solidão, insegurança e desvalimento.

Desamparada das leis do matrimonio, já que o sexto homem nem seu marido era, essa mulher vivia num ambiente de completa opressão onde os seus relacionamentos em vez de amadurecerem e melhorarem, iam de mal a pior. Um círculo vicioso e malogrado de relações opressivas e depressivas que não a levavam a lugar algum senão para trás e para baixo. Então, Jesus aparece e muda a sua vida e conseguintemente renova os seus relacionamentos.

Assim como a mulher samaritana, existem muitas mulheres cujos relacionamentos tem se tornado uma verdadeira arena de gladiadores. Suas camas, em vez de leito sem mácula tem se transformado emtatami de luta livre, caracterizado por violência sexual, traição, desrespeito mútuo, rancor, amargura, bate-boca irregular, agressão física, abuso verbal e abandono conjugal.

Para muitos a relação conjugal é sinônimo de opressão, confusão e servidão, em vez de comunhão, gratidão e satisfação. Há muitos lares onde a relação familiar tornou-se deplorável, pois os filhos temem ou controlam os pais; ou os pais intimidam ou negligenciam os filhos. Opressão total!

Quais os passos para a libertação e renovação dos nossos relacionamentos, então? Ora, seus relacionamentos SERÃO RENOVADOS quando você  SE DISPUSER a:

  1. Compartilhar a sua humanidade com Jesus!    João 4.6,7

“Havia ali o poço de Jacó. Jesus, cansado da viagem, sentou-se à beira do poço. Isto se deu por volta do meio-dia. Nisso veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: “Dê-me um pouco de água“.

Havia um ódio milenar entre os judeus e os samaritanos, só que do ponto de vista geográfico Jesus poderia ir da Judéia pra Galileia sem ter necessariamente que passar pela Samaria;

Ele podia ter escolhido o caminho que margeava o rio Jordão, que era um caminho agradável e ventilado e evitava o caminho pedregoso, árido ermo, sobre o sol causticante lá da Samaria, ou então ele podia ter ido pelo litoral mediterrâneo pelo vale de Saron, também um caminho agradável e depois subir as montanhas e já descer na Galileia, o caminho menos indicado do ponto de vista geográfico e do ponto de vista político também, era aquele de atravessar a Samaria;

No entanto Jesus fez a opção por passar justamente por onde ninguém deveria passar, a minha pergunta é se do ponto de vista geográfico, se do ponto de vista dos caminhos daqueles dias Jesus podia ter tido outras opções porque será que diz a palavra de Deus que pra ele era absolutamente necessário atravessar a província de Samaria?

Que necessidade era esta, que preeminência era esta, Que imperativo era este, que pressão era esta que compulsão era esta, que desafio era este, quais eram os sentimentos que forçaram, que embalaram Jesus na direção de Sicar, de atravessar Samaria aquela zona minada por sentimentos hostis?”

A resposta não pode ser outra. Era-lhe necessário passar por Samaria por amor! Por amor a alguém que necessitava de um ombro amigo, de uma palavra de encorajamento, de uma atitude positiva. Alguém com quem ele pudesse compartilhar, e esse alguém em meio a tanto ódio, inimizade, preconceito, sofrimento e dor era a mulher samaritana.

Assim como foi com a mulher samaritana, assim como foi com Zaqueu, Jesus quer se aproximar de você, da sua humanidade com todas as suas fraquezas e debilidades. Jesus quer aproximar-se da corporalidade do seu relacionamento, quer conhecer você na sua intimidade.

Jesus sentou-se à beira do poço e pediu água àquela mulher. Você está disposto a compartilhar sua água com Jesus? Traga sua água com todas as impurezas, disfunções e insatisfações. Ele vai renovar os seus relacionamentos e em troca te saciará com uma fonte de água que jorrará para vida eterna. Que tal?

  1. Em segundo lugar, seus relacionamentos serão renovados quando você se dispuser a Dizer toda averdade para Jesus!   

“O fato é que você já teve cinco; e o homem com quem agora vive não é seu marido. O que você acabou de dizer é verdade”. (João 4.19)

Aquela mulher podia ter muitos defeitos, e quem não os tem? Ela podia ser rancorosa, preconceituosa, prepotente e tudo o que a sua cosmovisão lhe permitia imaginar. Porém maior do que todas as falhas, necessidades; maior que a sua dor e o seu passado, era a vontade de ser restaurada, renovada em seus relacionamentos. Por isso a sua integridade de espírito falou mais alto. Ela disse a verdade!

Tudo o que Deus está esperando de você para renovar o seu casamento, a sua família, o seu relacionamento familiar, o seu emprego, os seus sonhos, suas forças, seu relacionamento, é que você se abra e conte tudo para ele, tintim por tintim. Conta toda a verdade com todos os pormenores, não esconda nada, pois ele tudo vê! E esteja pronto para uma transformação radical. Imediatamente Ele começará a renovar os seus relacionamentos. Aleluia!

Dizer a verdade para Jesus é reconhecer que Ele tem a palavra profética de renovação. É acreditar plenamente Nele!

“Disse a mulher: “Senhor, vejo que és profeta… Jesus declarou: “Creia em mim, mulher…”   –   João 4.19, 21a

  1. E, por último, seus relacionamentos serão renovados quando você se dispuser a Amar a Deus com intensidade e ao seu próximo com intencionalidade; Mateus 22.36-39

“Mestre, qual é o maior mandamento da Lei? “Respondeu Jesus: ” ‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento’. Este é o primeiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’.

Quando a mulher samaritana creu em Jesus para sarar os seus relacionamentos, ela entendeu o significado de uma verdadeira adoradora que adora a Deus em espírito e em verdade. É amar a Deus com tudo o que você tem.

Esse amor traz cura para a sua alma, para o seu espírito, para os seus relacionamentos. Por conseguinte, você estará apto para amar o seu próximo do jeitinho que você é – sem barreiras, sem traumas, sem seqüelas emocionais. Você se aceita e se ama porque Deus aceitou e amou você do jeito que você é; então, você está pronto para aceitar e amar o seu próximo da mesma maneira se ama e se quer.  Aí, você passa a pregar com o seu próprio relacionamento!

CONCLUSÃO

Como resultado dessa renovação, a mulher samaritana saiu para falar aos outros do amor de Deus e conseguintemente restaurar suas vidas e seus relacionamentos também. ELA ENTENDEU O VERDADEIRO PROPÓSITO DO REINO DE DEUS! Vejamos qual foi o resultado de um relacionamento renovado:

“”Muitos samaritanos daquela cidade creram nele por causa do seguinte testemunho dado pela mulher sobre Jesus: “Ele me disse tudo o que tenho feito”. (João 4.39).

E disseram à mulher:”Agora cremos não somente por causa do que você disse, pois nós mesmos o ouvimos e sabemos que este é realmente o Salvador do mundo”. (João 4.42).

Aquela mulher ganhou a simpatia da comunidade dela, ao ANUNCIAR JESUS de imediato!

Quando quebramos as barreiras do preconceito, então, amadurecemos para seguir o Príncipe da Paz, MULTIPLICANDO O ENSINO DO MESTRE  e ganhando mais vidas para o seu Reino de Justiça!

Fonte: https://estudos.gospelprime.com.br/jesus-venceu-intolerancia-e-o-preconceito/

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×